sábado, 17 de abril de 2010

.cicatrizes

Passou mais um dia, um mês, um ano,
E tudo se repete.
Todos os dias, como que por um plano
Chega o Problema, indesejável e mundano
E deixa marcas da sua passagem, como lhe compete
A vontade é abrir a torneira e deixá-lo ir pelo cano
Quem sabe já percebeu, quem não sabe, que interprete.
Independentemente do que eu diga, faça ou pense
O Problema não desaparece, existe para atormentar
Ele engana-se, se acha que me convence
Numa batalha assim, só sobrevive o guerreiro que vence
Não há premio para o segundo lugar
Se dependesse de mim, isto acabava já.
Esperei demasiado, esperámos demasiado
Não podemos contar com os ‘talvez eu vá...’
Olhamos a volta e contamos com quem está.
E assim podemos transformar este presente em passado.
Tudo podia ter sido mais fácil, eu sei.
Dei voltas maiores para arranjar cicatrizes desnecessárias
Fiz um caminho mais difícil com decisões que tomei
Voltas e voltas por ‘atalhos’ sem lei
Que me fizeram perder tempo com opiniões contrárias
Hoje, por algum motivo, estou em paz.
Nada mudou, o Problema continua aqui, bem perto.
Há pessoas que eu devia ter conhecido há muito tempo atrás
Provavelmente por esta altura já não via o que o Problema faz
E já tinha parado de rastejar pelo deserto.
Continua a ser incrível a forma como fomos resgatados
Por algum motivo a novidade trouxe protecção
Em vez de nos apedrejar pelos nossos pecados
Fez-nos sentir protegidos e amados
Porque há um Amigo mais chegado que um irmão.


Glücklicher Geburtstag, Freund! Gott segnet Sie

1 comentário:

Renan disse...

Um poema que demonstra esperança! Continua assim, e confia nesse Amigo mais que chegado que um irmão pois realmente é o que vale a pena!